Correio Central
Voltar Notícia publicada em 28/09/2016

Homem executado com seis tiros em Vale do Paraíso era da LCP, afirma polícia

Sebastião Pereira foi atingido por seis disparos de arma de fogo, ele havia sido ameaçado mais cedo numa ocupação de terras na Linha 206. Segundo a Polícia Civil, a vítima era integrante da LCP.

Sebastião Pereira dos Santos, 39 anos, que foi alvejado com seis tiros no começo da noite de terça-feira em Vale do Paraíso, na Rua Imbaúba, não resistiu aos ferimentos e morreu na manhã de hoje no Hospital Regional de Ji-Paraná, para onde foi encaminhado.


Investigadores da Polícia Civil em Ouro Preto d’Oeste afirmaram que Sebastião pertenceu a LCP (Liga dos Camponeses Pobres), mas já teria se desvinculado da Organização que promove invasões de terra em Rondônia.

Dois homens chegaram à residência da vítima e o carona, armado com um revólver começou a disparar contra as costas de Sebastião que correu para dentro de sua casa.

 

A mulher de vítima ainda entrou em luta corporal com o atirador que a empurrou, perguntou se ela também queria morrer e seguiu atrás do seu alvo, disparando sete vezes e acertando seis tiros em Sebastião.


A companheira de Sebastião então correu, pulou dois muros e foi para casa de vizinhos, onde foi socorrida. O criminoso disparou contra Sebastião que foi alvejado com seis tiros, e os médicos que o atenderam localizaram dois projeteis na cervical, dos na região torácica, um tiro na artéria subclávia e um tiro na região lombar.  


De acordo com informações da Polícia Militar de Vale do Paraíso no boletim feito pelos PM’s cabo Joelson e soldado Sobrinho, com base em declarações da mulher da vítima, Sebastião estava em uma invasão de terras em uma fazenda localizada na Linha 206, e retornou no período da tarde de ontem para sua casa, pois teria sofrido uma ameaça de morte.

 

Ainda segundo a mulher, na hora que atirava em Sebastião o homicida teria dito: “Nós avisamos que iríamos matar de um a um”. O assassino chegou a mencionar outro nome, revelado aos PMs pela mulher da vítima.

 

Fonte: www.correiocentral.com.br